sexta-feira, 7 de maio de 2010

ESCREVER... DOM, POESIA E NECESSIDADE!

Eu tenho sentido uma sede absurda de escrever, mas isso não é um fenômeno de agora não, eu sempre tive fome das palavras, sempre amei poesias, e sabe-se lá quantas eu tenho perdidas por essa estrada louca que eu ando.
Quando adolescente eu descobri com Paulo Coelho que tudo pode virar magia, hoje aos trinta e poucos anos descobri com Caio Fernando de Abreu que tudo pode virar conto, com Vinicius descobri que tudo que se sente pode virar música... E essas descobertas tem feito de mim uma mulher mais cheia de alma, inspiração e tranquilidade. Diferentemente de quando canto, quanto melhor estiver meu estado de espírito, mais eu quero escrever. Com a música é o contrário, eu quero e necessito gritar minhas dores, por isso canto, por isso elevo as minhas dores aos ouvidos daqueles que saem de casa sem saber o que eu vou cantar naquele dia, é quase um diário ao vivo, as pessoas sempre sabem se eu estou bem ou não, é só abrir a boca!
Quando escrevo eu me escondo, em quê ainda não descobri, e porque também não, mas eu fico aqui, como estou nesse exato momento, sentada no cantinho do sofá, sozinha e ouvindo a música do meu silêncio, e me pego muitas vezes na dúvida sobre o quê escrever, já que em minha cabeça me vêm um engarrafamento de palavras, sexo, moda, política, amor, música, vida, morte, ilusão, desilusão... Eu só quero escrever, e que brotem os contos de mim, de ti, sei que aqui tudo vira protesto, poesia, conto, fantasia!
Uma sexta-feira maravilhosa pra vocês e um mega beijo especial para meu amigo David Petit que amo muito!

Um comentário:

Ricardo disse...

Ganhou mais um seguidor. Te amo. Beijos.